SHARE

Neste 8 de março, é válido relembrar as conquistas femininas e a expansão de sua voz em diversas áreas no últimos anos. Porém, ainda há muito a se modificar na sociedade para poder considera-la igualitária – e a internet pode ser a ferramenta perfeita para empoderar as mulheres

Nos anos 1960, as mulheres tiveram um enorme impulso da indústria para conseguirem a revolução sexual. A pílula anticoncepcional inovou no cotidiano de diversas mulheres, que, enfim, tinham controle sobre o próprio corpo e portanto a possibilidade de terem diversos parceiros sem dependerem de uma proteção dependente vinda dos mesmos. Esse desafio dos códigos tradicionais de comportamento humano da época, principalmente nas sociedades ocidentais, garantiu às mulheres maior independência e poder com sua voz.

Entretanto, ainda há muito a se modificar. Se nos anos 60 a população tinha acesso à TV, nos dias atuais a internet é a principal fonte para poder difundir a informação. O benefício de passarmos para um novo meio? É que notícias, opiniões e mensagens são trocadas mais rapidamente que nunca, em um alvoroço sem fim.

Com isso, várias oportunidades surgiram, inclusive para áreas que poderiam se dizer ‘conservadoras’. A literatura, um meio secular de comunicação, foi beneficiado com a revolução sexual, desde seus áureos tempos. Novas opções de romances se abriam, para mulheres e homens, e a criação de gêneros específicos para se encaixar na demanda.

O erótico no literatura não é novo, porém a sua censura só foi apaziguada depois da revolução sexual. Com a abertura da sociedade para discutir sobre os direitos da mulher e sua liberdade de escolha, inclusive no sexo, a literatura erótica entrou no contexto. Autores, que antes apresentavam o conteúdo de suas obras completamente mascarados, utilizando de duplo sentido ou poetização, agora demonstravam os atos com maior frequência.

O acesso facilitado ajudou a impulsionar novas mentes para a área da literatura. Lani Queiroz é uma delas. Autora de mais de 10 livros escritos, a escritora de romances ‘hot’ começou sua carreira na web, ainda em 2014. Suas publicações foram tão bem aceitas pelo público que depois de um ano, apenas, já tinha sua primeira publicação por uma editora. Hoje, Lani é best-seller no gênero ‘romance erótico’ e ajuda mulheres a tomarem consciência sobre seus corpos, direitos, poderes e também fantasias sexuais. Com a imaginação da literatura, há infinitas possibilidades – e um novo mundo se abre para as mulheres também.

LEAVE A REPLY