SHARE

Campinas apresenta o 5º melhor Índice de Desenvolvimento Sustentável no Brasil, entre os municípios com mais de 500 mil habitantes. No placar geral, entre os 770 municípios avaliados, Campinas ocupa o 64º lugar. Esses dados fazem parte da 1ª edição do programa Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades – Brasil (IDSC-BR), lançado em cerimônia virtual nesta terça-feira, 23 de março.

O trabalho, inédito, é uma iniciativa do Instituto Cidades Sustentáveis, no âmbito do Programa Cidades Sustentáveis, em parceria com o Sustainable Development Solutions Network (SDSN), uma iniciativa da ONU para monitorar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em seus países-membros.

O levantamento está relacionado à Agenda 2030, uma agenda mundial apresentada em 2015 pela ONU aos países-membros. Ela estabelece metas, prazos e compromissos voltados ao desenvolvimento sustentável e ao enfrentamento dos principais problemas globais.

Esse pacto supranacional foi detalhado nos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e assinado por mais de 190 países, incluindo o Brasil. Os ODS lidam com temas como erradicação da pobreza, saúde, educação, água portável, mudanças climáticas e promoção da igualdade de gênero, entre outros.

Para conhecer melhor o programa e a posição de cada um dos municípios avaliados no IDSC-BR , acesse https://www.cidadessustentaveis.org.br/inicial/home .

Campinas

O secretário do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SVDS) de Campinas, Rogério Menezes, comemora a posição do município.

“Nosso desafio é grande, mas temos muito a comemorar. Esse resultado é fruto do trabalho coletivo de muitas secretarias e empresas municipais e suas políticas públicas, da Central de Inteligência do Gabinete do Prefeito com a Secretaria do Verde, que busca assessorar, captar e organizar os dados”, comenta.

Para o secretário, “com as ações de saneamento, investimentos da Sanasa, Serviços Públicos e Secretaria de Infraestrutura, seguiremos no caminho certo, nesses tempos tão difíceis em que vivemos”, destaca.

LEAVE A REPLY