SHARE

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou nesta terça-feira, dia 22 de setembro, novos dados sobre os casos de dengue em Campinas. Entre 1º de janeiro e 18 de setembro de 2020 foram registrados 3.880 casos da doença na cidade. Em abril deste ano uma pessoa morreu em decorrência da dengue.

As regiões Noroeste e Sudoeste de Campinas são as que mais têm casos, com 1.070 e 1.057 respectivamente. Na sequência está a região Norte, com 931; a Leste, com 489; e a Sul, com 333 confirmações.

A luta contra a dengue exige uma contrapartida de toda a sociedade. A Prefeitura mantém um programa de controle e prevenção da doença por meio do Comitê de Prevenção e Controle das Arboviroses. Cada cidadão, porém, precisa fazer a sua parte, destinando corretamente os resíduos e evitando criadouros. Segundo o Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), 80% dos criadouros estão dentro de casa.

O trabalho contra a dengue realizado pela Prefeitura é ininterrupto. Entre 1º de janeiro e 31 de julho deste ano, 414.971 imóveis foram visitados pelas equipes de Saúde para controle de criadouros. No mesmo período, 168.830 imóveis localizados em áreas com transmissões foram nebulizados.

Para acabar com a proliferação do mosquito é preciso evitar acúmulo de água e remover latas, pneus e outros objetos. Os vasos de plantas devem ter a água trocada a cada dois dias. É importante, também, vedar a caixa d’água. Os vasos sanitários que não estão sendo usados devem ficar fechados.

Comitê

O Comitê de Prevenção e Controle das Arboviroses reúne 14 secretarias (Secretarias Municipais de Governo; de Saúde; de Educação; de Serviços Públicos; do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; de Recursos Humanos; de Administração; de Comunicação; de Trabalho e Renda; de Esportes e Lazer; de Cultura; de Habitação; de Relações Institucionais, e de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos), além da Defesa Civil, do serviço 156, da Rede Mário Gatti e da Sanasa. O comitê planeja continuamente as atividades de combate à dengue, ao zika vírus e à chikungunya em Campinas.

LEAVE A REPLY